Seguidores do Blog

Pesquisa personalizada

E a danada da inveja, heim... xô! xô!

Pesquisa personalizada

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

MOVIMENTO DE MULHERES: COM OU SEM MULHERES? (Zelinda Barros)

Atualmente, fala-se que vivemos um novo momento para os movimentos sociais no Brasil. Grupos organizados em várias partes do país reivindicam políticas que contemplem os seus direitos. Os grupos de mulheres, como parte deste rol de grupos que questionam a lógica de um sistema que privilegia uns em detrimento de outras(os), também estão aí inseridos. Esta noção de que “há algo novo no ar” não necessariamente significa, a meu ver, novas formas de organização e sim que as desigualdades sociais hoje apresentam-se de tal forma que já não mais possível sofrer seus efeitos sem manifestar alguma forma de insatisfação. Este estado de coisas, no entanto, não nos leva a uma prática política transformadora, pois a organização necessária para a mobilização de mulheres encontra-se aquém do necessário para minimamente enfrentar as dificuldades que nos são impostas. A sensação que temos é de que estamos indo à luta contra armas das mais potentes e sofisticadas munidas de estilingues, o que nos coloca novamente em desvantagem. Mas qual a razão deste descompasso? Seríamos nós mulheres realmente menos capazes? Neste ensaio esboço algumas respostas a partir de inquietações que, para mim, nos dão pequenas pistas para responder a estas questões.

A institucionalização dos movimentos sociais - dentre eles o de mulheres, que hoje têm boa parte de seus quadros integrando as estruturas de governo, põe a nu questões não resolvidas pelos movimentos e que precisam ser entendidas não apenas como referidas a um movimento estratégico de cooptação pelo Estado ou à traição das(os) companheiras(os) seduzidas(os) pelo poder. A penetração de espaços até então não ocupados por mulheres, por exemplo, traz à tona o problema do relacionamento com o poder, do modo como lidamos com a possibilidade concreta de reversão de uma situação que pode contribuir para a modificação das nossas vidas.

As explicações de alcance macro podem ser tentadoras no sentido de dimensionarmos o problema como algo que não atinge exclusivamente a um determinado segmento de mulheres, mas a todas nós. No entanto, elas fazem com que percamos de vista minúcias que, para nós mulheres, que ao longo de nossa trajetória histórica nos ocupamos das “pequenas coisas”, são importantes para definição de um novo rumo na luta política. O sistema de dominação que impõe a nós mulheres a situação de desvantagem em relação aos homens, até mesmo por nossa própria iniciativa em favor deles, se alimenta de uma lógica que muitas vezes reproduzimos na tentativa de esboçar uma reação. Revela-se o mesmo desprezo pelo que é considerado de menor importância, de menor impacto: a relação face a face. É justamente a proximidade das relações que as mulheres historicamente forjaram que pode servir como potencial transformador da vida de todas as mulheres, não apenas das que são consideradas empoderadas ou que tentam a via do empoderamento das mulheres através do ilusório empoderamento de algumas poucas representantes. Não podemos cair na armadilha de pensar que a ocupação de determinado cargo de prestígio ou que o gozo das benesses desfrutadas por ocuparmos certas posições de poder repercutirão sobre as outras mulheres com a força de um exemplo a ser seguido, como a possibilidade de que “é possível chegar lá”.

Mesmo quando nos pensamos grandes ainda somos pequenas. O aumento da força de uma depende do aumento da força de todas, o que implica em identificar nossas diferenças, mas também considerar que os privilégios que detemos e fazemos questão de manter podem nos levar, no máximo, a um conforto individual e instável, mas que, se não forem transformados em direitos coletivos, não contribuirão efetivamente para a mudança significativa de um quadro de dominação secular que ajudamos a construir. Penso não somente nas mulheres que alcançaram posições de prestígio profissional, mas também naquela dona de casa da periferia que esquece da vizinha quando, a custo de muita economia, consegue comprar um carro popular usado e passa a se comportar “como se tivesse o rei na barriga”.

A influência cada vez mais crescente dos meios de comunicação na pressão pelo consumo desenfreado retira o foco de nós mesmas e passamos a, como robôs, perseguir a busca por aquisição de bens. Nesta tentativa desesperada de termos cada vez mais coisas, mesmo aquelas das quais não necessitamos, esquecemos das pequenas coisas que podem fazer a diferenças para outras. Falo não de bens materiais, mas de relacionamento, de considerar a outra, se importar com a sua vida, suas angústias e sofrimentos.

Na situação de competição frenética em que estamos colocadas não nos interessa o que a outra pensa, mas apenas que ela deve ser ou pensar para que possar ser considerada uma igual. É aí que mora o perigo, pois a luta das mulheres passa pela convergência de pessoas que necessitam, apesar das diferenças, se unir em prol de uma luta que mude a vida de todas, não importando se ela tenha a cor da pele ou cabelo que mais me agrade ou que diga exatamente aquilo que eu quero ouvir. Alguns grupos organizados, como partidos e associações, exercem um papel devastador para a consolidação da luta feminista, pois polarizam os grupos e dividem com base em critérios que, para nós mulheres, não nos tem contemplado nem se traduzem em resultados positivos na luta pela mudança da nossa condição. A socialista, a neoliberal ou a anarquista sofrem, em diferentes graus, dos efeitos da dominação ideológica de gênero, e não é pela via partidária que a luta feminista será fortalecida. Isto não significa que devamos virar as costas para a possível ampliação de espaço no poder formal.


Creative Commons License
Movimento de mulheres: com ou sem mulheres? is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.

2 comentários:

Sérgio Coutinho disse...

Zelinda, encontrei teu blog por meio do Blogblogs. É pertinente o debate que levanta relacionando as conquistas das mulheres à construção do que significa ser mulher. Parabéns pelo blog e pelas idéias apresentadas. Está convidada para conhecer meu Mundo em Movimentos (www.mundoemmovimentos.blogspot.com). Abraço, Sérgio.

gardel disse...

Zelinda a Guerreira

Tive a grata satisfação de tomar conhecimento do seu Blog e dos outro que de uma só vez tivestes coragem de colocar no ar.Quanto a politicalha falada no seu texto, vão continuar os mesmos e com a mesma omissão e a mentira e a covardia de empreender mudanças já que "falam " em nome do povo. Falta muito para que algo de bom esperemos dos políticos. Talvez ocorra algo quando êles se espelharem na Guerreira, que nem bem termina o aleitamento do seu filho, empreende batalhas trava a luta e não esquece seus compromissos éticos, seu ideal. Quem??? Zelinda Novais. ( Não somos grandes amigos amis seu comprometimento para mim é motivo de saber que um dia a conheci e troquei um aperto de mão.